adiando a vitória


minha alma anagrama de lama, dahmer.
minha alma anagrama de lama, dahmer.

hunger for love

i want the hunger for love and beauty to be in the depths of my spirit, for i have seen those who are satisfied the most wretched of people.

- gibran khalil gibran

may your coming year be filled with magic and dreams and good madness. i hope you read some fine books and kiss someone who thinks you’re wonderful. and don’t forget to make some art — write or draw or build or sing or live as only you can. and i hope, somewhere in the next year, you surprise yourself. i hope that in this year to come, you make mistakes. because if you are making mistakes, then you are making new things, trying new things, learning, living, pushing yourself, changing yourself, changing your world. that is my wish for you. make glorious, amazing mistakes. make mistakes nobody’s ever made before. don’t freeze, don’t stop, don’t worry that it isn’t good enough, or it isn’t perfect, whatever you do: art, work or even love. whatever it is you’re scared of doing, do it.

— neil gaiman (@ a perfect birthday letter)

saudade

Tente

image

Ainda gosto da noite. Estou namorando firme as manhãs, é verdade. Mas não preciso mentir, ainda gosto muito da noite. Lembro dela com o maior carinho, inclusive. E lembro só dos momentos felizes que vivemos juntos. Os momentos tristes, foram realmente muito muito muito tristes. Mas eu nunca lembro da noite morta, no caixão, pálida e linda para os vermes matarem sua fome em nós. Tenho muita saudade da noite e faço questão de só lembrar dela quando ainda era novinha, linda, virtuosa e cheia de vida. Porque a noite é mais tolerante conosco. Percebam. De tarde, é constrangedor abraçar demoradamente um conhecido. Tente. É meio falta de educação, é mais ou menos como se você apertasse o peitinho de uma moça, sem qualquer aviso, no meio da madrugada. Não, não foi uma boa comparação, eu sei. Não tem nada a ver uma coisa com a outra. Mas o dia é formulário, a noite é poesia. Mesmo assim, tente. Tente o mesmo abraço demorado em plena noite alta. Ninguém repara, ninguém liga. Ninguém diz que você está precisando de terapia. Ou que você amoleceu. E que você não está tendo uma postura profissional adequada. Ou que isso é coisa de frouxo, e que parecem duas bichinhas. A noite é mais ampla, generosa. Lá estão todos os sentimentos e sensações proibidas em tempos de sol. Tem os desejos da noite. Desejos gigantes e legítimos, aliás. Porque ninguém deseja uma carreira mais sólida na noite. Durante a alta madrugada, ninguém deseja trocar de carro. Às cinco da manhã, ninguém quer vender o seu 2006 e botar mais um dinheirinho para comprar um 2009. Ninguém quer injeção eletrônica. Ninguém paga boletos bancários. A noite humaniza. A noite aumenta o tamanho da gorjeta, o volume da esmola. Sei disso porque sou um mendigo. Eu mendiguei muito afeto nessa vida. E afeto não é que nem dinheiro, que poucos possuem aos montes e poderia até sobrar um pouquinho para você. Afeto, afeto de verdade, não tem sobrando por aí. É raríssimo. Não é barato de comprar, você não acha em qualquer lugar. Não é rápido, fácil e prático. Não funciona com álcool e gasolina, simultâneamente. Amaioria das pessoas mal conseguem arrumar todo o afeto que precisam para passar o resto do mês. Passam necessidade, mesmo. Roubam o afeto dos outros para viver. Bandidos. Gosto da noite. Ainda gosto muito da noite. E não é só porque sou um mendigo. E não é só porque na noite as esmolas são mais gordas, polpudas. Não é tão simples assim, não é tão mesquinho, tão pequeno, tão eu. É que a noite é tão linda e dentro dela somos tão maiores. Somos tão mais gente, enxergamos tão melhor a alma das pessoas. Somos pessoas tão melhores de noite. Na noite, não existe relógio. Na noite, não existe prazo de entrega. A noite junta pessoas para sempre. Durante uma tarde de sol, tente juntar duas pessoas para sempre. É difícil, não pega bem tentar. Tente trepar em um banheiro de restaurante ao meio-dia. É estranho, mas tente. Vão dizer que você é um tarado, um drogado. Vão chamar a polícia. Mas às quatro da manhã, quem seria filho da puta de chamar a polícia? Tente de tardinha, na praia. Vocês serão presos. Serão indiciados por atentado ao pudor. O Estado inteiro contra vocês. E você será condenado a passar três meses vigiando uma piscina de um CIEP em Realengo. Se for restaurante de rico, vai dar cadeia na certa. Pouca cadeia, mas você sabe que um dia de cadeia, no Brasil, é cadeia pra caralho. Mas tente. A noite fortalece certezas. A noite olha nos seus olhos e diz: “você sabe que eu te amo”. A noite diz que você quer chupar aquele cara de qualquer jeito. Tentem, meninas. Tentem pensar em chupar um colega de escritório, de tarde, tipo cinco da tarde, com gente estressada em volta. Você vai se sentir incomodada. Você vai achar que anda muito sozinha e que seu casamento é um fracasso. E que seu marido não fode mais com a boa vontade de antes. Você vai se achar uma puta safada. Você tentará voltar a se concentrar nas planilhas rapidinho, rapidinho. Você vai achar que não deve se envolver dessa forma com ninguém do seu trabalho. Porque vai ter fofoquinha. Ou porque você foi educada assim e acabou. Porque você não deve tocar uma bela siririca no banheiro do trabalho de jeito algum. Não se o trabalho for na parte do dia. Tente. Você não vai gozar. Porque vai entrar uma rival no banheiro. Uma pessoa que quer lhe destruir, lhe humilhar, tomar a sua cadeira. Tente. Tente ficar de plantonista na redação. Mas de noite, de noite tudo é permissivo. Tente passar a madrugada sozinha no trabalho. Você vai ver pornografia pra caralho, você vai adorar. E você sabe apagar o histórico do computador depois. Você vai gozar gostoso, vai tremer toda. E você sabe muito bem o que é gozar de tremer todinha. Só de noite dá para gozar e tremer todinha, aliás. Tente. Você vai deixar o seu cheirinho no mouse. Seus dedinhos molhados pela força da imensa noite. De madrugada, com tiros ao fundo. Tente. Tente bater uma deliciosa e proibida siririca por toda uma noite no trabalho. Por mim, tente. Tente gozar através de uma noite em um escritório deserto. Por toda a noite. Será um barato. Você vai gozar muuuuuuito. Você vai ficar toda ardida. Vai procurar algo para enfiar na xoxota. Algo grande. Tente. Tente só uma vez. Ainda gosto da noite. Na noite, somos mais corajosos. Na noite, morremos mais rápido, sem nem ver o rosto de quem nos matou. Tente matar alguém de manhã. É tão difícil, vai dar merda com certeza. Vão descobrir tudo. Um porteiro vai lhe descrever para a polícia nos mínimos detalhes e você vai aparecer na TV. Assassino, gritarão todos. E assassinos devem morrer mal, sozinhos, de forma horrível, numa prisão bem suja. As prisões mais imundas do país imundo. Viu como o dinheiro também pode fazer coisas bonitas? Porque nós temos que tratar essa gente da pior maneira possível. Temos que gastar muito dinheiro com isso. Tente. Porque nós somos muito melhores, não cometemos erros e nunca iremos parar na cadeia. E somos ricos. Ricos e brancos. E ricos ou brancos não vão para a cadeia. Se forem brancos e ricos ao mesmo tempo, então… Não prestarão nem depoimento. Mas tente. Tente estrangular uma meninia pela manhã. Não é coisa simples de se fazer. Precisa acordar muito mal para matar alguém antes das dez. Tente. Depois, tente matar alguém de madrugada. De ciúmes. De porrada, a chutes. De falta do que fazer, de raiva, de falta de amor. Tente matar alguém por linchamento, para fortalecer a amizade bonita que você tem com os seus amigos de academia. É mais fácil. Matar de noite é muito mais fácil. E a amizade fica tão mais forte. Eles vão respeitar você muito mais. Assassinos. Todos cultuam os assassinos. Vamos criar um fã-clube para alguém que matou um grande músico. Vamos criar uma comunidade na internet que una nossos mais jovens e preparados homicidas. Os mais velhos ensinando os mais novos. Tente. Você vai fazer grandes amigos, eu garanto. Gente que tem os mesmos problemas que você. Loucos da mesma loucura. Carma, todo mundo junto, sem quebrar a corrente. Irmãos de sangue. Vocês vão sair para matar em grupo. Porque um compreende o sofrimento do outro. Vocês vão matar com horário, com data marcada. Matar com calma, com carinho, de maneira premeditada. Vocês terão um plano, mas na hora de matar, vai ser olhando nos olhos, com todo o amor do mundo. Tente. Não pelo esporte, pelo esporte jamais. Tente matar alguém olhando nos olhos, de noite, sob a luz do luar. É tão bonito. É uma sensação de dever cumprido, de alívio. Tente. Sempre de noite, que é mais fácil. É muito mais fácil e mais conveniente. Mate. Tente matar porque alguém pisou no seu pé. Porque algum filho da puta deixou cerveja cair no vestido da sua namoradinha. Porque alguém roubou a sua amada. Ou porque não roubou, mas ela desejaria ser roubada. A noite me dá tanta força. A noite nos faz bichos mais ferozes. Uma noite, tente sangrar um ladrãozinho. É tão fácil. Mas tente dar um tiro em um bandido na parte da manhã, sol a pino. Ou em alguém que você não goste. Ou em alguém que você odeia. Um deputado do PMDB, por exemplo. É difícil. Difícil e arriscado. Fica estranho, é perigoso. Você pode ser preso, e cadeia no Brasil… É difícil matar um deputado do PMDB de manhãzinha. E até seria muito mais fácil matar um deputado do PV numa madrugada de samba. De noite, de porre. É até mais divertido. Mas em breve pode não ser mais. Pode virar moda. Pode virar algo normal e moderno. Pode servir de exemplo para os nossos filhos. Sair em grupo para matar deputados, que sonho bonito. Tente, pode até virar filme. O grupo guerrilheiro que será celebrado por mil anos. Heróis, dirão os mais jovens. Irmãos. Gente que deu sua vida para matar deputados, que bonito. Assassinos frios. Terroristas. Eu ainda gosto da noite, não minto. Porque na noite, os problemas dormem. Você fica ministro da sua vida. Rei das suas ansiedades. Você fuma e bebe pra caralho, é muito mais divertido. Você morre mais rápido. Tente morrer de beber e fumar na noite. É menos sofrido, você vai ver. E é infinitamente mais prático. Você vai perder um pulmão e a vida. Mas antes, seus parentes virão de outro estado lhe visitar. Gente querida que você não via desde a adolescência. Tente. Eles vão abrir você com uma faca, vão tirar uma veia da sua bunda e metê-la em seu peito. Seu coração funcionará com a ajuda da sua bunda. Não é bonito, sofisticado? E farão isso de maneira cirúrgica, profissional. E vai ser caro, eu garanto. Eles são uns heróis e é caro ser herói. E é muito mais romântico ver um herói abrindo seu corpo com uma faca. É infinitamente mais divertido do que cortar unhas. Tente. Tente virar um esqueleto falante. Perder os cabelos para a radiação, chorar, pensar na delícia da infância. Tente. Será engraçado pra caralho. Porque só os outros pegam câncer, só os outros pegam câncer porque você é melhor que todo mundo. Deus não faria essa sacanagem. E mesmo que fizesse, seria muito mais bonito do que morrer de dia, não é? É muito mais confortante pensar que só os outros morrerão de câncer. Tente. É uma sensação ótima, tão conciliadora dos medos. Porque morrer de tanto ser normal, de tanto levar as crianças na escola…Morrer de manhã deve ser uma merda. Morrer levando as crianças na escola. Deve ser uma grande merda. Deve causar caos em velório. Morrer de carro, de noite, em um pega entre garotos ricos e felizes. Isso sim é transformador. Isso é romântico, moderno. Tem uma roupagem inovadora e pode virar moda. Tem todo o potencial para virar febre entre os febris. Dá para sentir o cheiro de dinheiro. Montanhas de dinheiro. Dá para encher muitos hospitais que já estão lotados. Montanhas de hospitais. Assassinos, em grupo, que se reúnem para correr de carro. Que entendem a necessidade do outro de desgraçar com a vida dos pais. Eles se entendem e isso fortalece a amizade, o grupo de assassinos mimados. São uns assassinos, mas são heróis que deram a vida pela velocidade. Que bonito, quanta grandeza e quanto esparadrapo. Pode até virar filme e tem um grande potencial de virar febre entre os jovens. É muito melhor que morrer de tanto consertar a descarga, de tanto ir ao supermercado, de tanto pagar o condomínio. Tente. Morrer em um supermercado de tardinha, como seria ruim morrer ao entardecer, em uma grande promoção de ventiladores. Meus filhos ganhariam uma indenização e seria ainda mais complicado. Eles brigariam por herança. Irmãos órfãos que se odeiam, olha como o dinheiro também pode fazer coisas bonitas. Tente. Tente, de madrugada, falar verdades para um grande amigo. Elas soam mais verdadeiras, eu juro. Tente criticar alguém na hora do almoço. É mais difícil, requer cautela. Você não quer machucar ninguém, você não quer que ninguém perca a fome. Tente. Porque você se esforça para ser uma pessoa boa, generosa, que acorda cedo para encher o rabo do seu chefe de dinheiro. Você se esforça para que tenham pena de você. Tente. É tão importante ter uma carreira, mas é tão indecente morrer de tarde, em um escritório. Falir do coração, na frente dos seus concorrentes. Gente que sempre sonhou em ver você morto, empalado por uma carta de demissão. Morrer em frente ao bebedouro, na copa, depois de uma dorzinha que começou no seu braço, uma dorzinha de nada, uma bobagem. Seus inimigos irão ao seu enterro. Eles fingirão choro e consternação. Tente. Como é bom ter uma carreira, como é bom poder ter um dono, alguém que você odeia, que manda e desmanda em você. Que obriga você a namorar menos, a ouvir menos música, a pegar menos sol. Mas você é folgado. Você não deve ser assim, tão feliz. Tente. Gosto da noite, apesar de estar namorando uma linda e gostosa manhã. Sinto saudades. Lembro sempre da noite, de quando ela era pequena, da farrinha que fazíamos na cama. De quando ela não me machucava. Nós éramos íntimos, muito íntimos. Tente não ser íntimo da noite. Tente. Você perderá o melhor pedaço das pessoas que você gosta. Na noite, todos são menos individualistas. Peça ajuda para pagar um engradado de cerveja, no meio da noite. Todos são generosos de noite, todos querem contribuir para acabar com o problema. Deus, como os jovens são generosos. Como podem ser altruístas e solidários. Tente pedir um beijo de madrugada. É mais fácil, as meninas beijam muito mais fácil de noite. Pode até virar moda. Pode até virar um lindo movimento político, em que meninas ricas beijam na boca de outras meninas ricas por beijar. Sem sentir nada, nadinha. Apenas para parecerem mais fortes. Fortes porque estão na moda e não são jecas, não são meninas feias e trabalhadoras, oriundas da merda do subúrbio no qual você nunca pisou. Tente. Vai fortalecer a sua amizade. Você se sentirá menos gorda, apesar de nunca ter sido uma. Vai ser lindo, você merece, você é uma pessoa legal, você só traiu por amor. Ainda gosto da noite, mas namoro uma manhã que me entenda. Uma manhã que faça sentido, que me proteja e que não me faça sofrer. Tente. É tão fácil. É tão mais digno pedalar do que cheirar pó. É tão mais vantajoso para a saúde pública, creio eu. E é fácil. Uma bicicleta resolveria o seu problema. Basta nunca mais descer da bicicleta. Pedale para sempre, tente. Lembre sempre que milhares de cigarros já foram mortos por bicicletas. Tente. Não por mim. Tente por você, com todas as suas forças. Porque eu já estou namorando uma manhã jovem e deliciosa e me sinto muito bem. Tente.

 ~ andré dahmer

"Aconteça o que acontecer, continuam vendendo cigarros. As ruas continuam sendo o chão, a despeito de toda crise mundial. Os carros continuam rodando, os juros, os giros, os expedientes. A despeito de todos os prognósticos pessimistas. A despeito de toda miséria, de toda indiferença, de toda dor. De todas as dívidas catastróficas. De toda crise energética e de todos os destroços morais de nossa civilização. Suposta.

A despeito de toda hipocrisia reinante os anunciantes continuam anunciando, a despeito de toda doença do desejo os publicitários continuam esmerando-se para convencer você a precisar de algo. A despeito de você. A despeito do teu recalque. O sol nasce e morre e a caravana gira. A despeito de tudo isso continuam vendendo cigarros. A despeito de todos os avanços tecnológicos o planeta continua se esvaindo. Toda crise existe a despeito do passar. Seres zumbis. Almas desnecessárias aos mercados. Poesia inexistente, imprudente, indevida. A despeito de toda fuga o homem continua chegando ao seu umbigo e dormindo quietinho. A depressão galopa nos ombros das esquinas e eu me incluo dentro. A despeito disso tudo. Ser.

Quero não ter planos.”

— terêncio porto pereira